UFSC recebe embaixador da Tailândia

21/03/2016 12:52
Administração Central da UFSC recebe comitiva da Tailândia e realiza reunião de prospecção para áreas de cooperação científica. Foto: Pipo Quint/Agecom/UFSC

Administração Central da UFSC recebe comitiva da Tailândia. Foto: Pipo Quint/Agecom/UFSC

A vice-reitora Lúcia Helena Martins Pacheco recebeu uma visita de cortesia do embaixador da Tailândia no Brasil, Pitchayaphant Charnbhumidol, e de sua comitiva na manhã desta segunda-feira, 21, em Florianópolis. A autoridade retornará à Tailândia no final do mês e deve apresentar as áreas de expertise da UFSC a universidades do país. Entre elas, Engenharias Mecânica, Aeroespacial, Civil, Elétrica, Química e Têxtil, Nanotecnologia, Energia, Petróleo e Gás e Agricultura Familiar.

De acordo com o secretário de relações internacionais da UFSC, Aguinaldo Roberto Pinto, há a possibilidade de haver uma cooperação que envolva mobilidade de estudantes, professores e técnicos, com desenvolvimento de projetos de pesquisa em conjunto. A reunião de prospecção para áreas de cooperação científica e intercâmbio acadêmico-cultural contou com a presença do pró-reitor de pesquisa, Jamil Assreuy Filho, e do primeiro-secretário da Embaixada, Kosin Phonmang. Em sua primeira visita oficial a Santa Catarina, o embaixador Pitchayaphant participará também de audiências com representantes de instituições governamentais e da sociedade civil organizada.

 

Construtora retoma obras do Instituto de Engenharias de Superfície

15/03/2016 11:55

A segunda etapa da obra do Instituto de Engenharias de Superfície, que estava paralisada desde janeiro de 2013, recomeçou no dia 29 de fevereiro e está em andamento. O canteiro © Pipo Quint / Agecom / UFSCde obras está sendo preparado para descarga de material e para garantir a segurança dos trabalhadores e da comunidade universitária. Os trabalhos serão realizados pela construtora Salver, a mesma que executou a primeira parte da obra. A empresa foi a vencedora da licitação aberta pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária (Fapeu), que é a responsável pelo gerenciamento dos recursos liberados pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). A obra está orçada em cerca de R$ 2,9 milhões e tem prazo de conclusão de 300 dias, com conclusão prevista para dezembro de 2016. O término do convênio com a Finep acontece em fevereiro de 2017.

“Esta boa notícia é resultado do trabalho muito intenso de nossa equipe que conseguiu resolver todas as pendências, encontrando soluções que viabilizaram o reinício da obra”, comemora a reitora Roselane Neckel. Quando o prédio estiver pronto, mais de 150 pesquisadores trabalharão no local e haverá espaços para atividades de interação e transferência de tecnologia para o setor produtivo. O custo total da edificação será de R$ 5.859.147,09.
(mais…)

Pró-Reitoria de Pesquisa disponibiliza para testes novo formulário de registro de projetos de pesquisa

22/01/2016 12:55

A Pró-Reitoria de Pesquisa (Propesq), a Pró-Reitoria de Extensão (Proex) e a Superintendência de Governança Eletrônica e Tecnologia da Informação e Comunicação (Setic) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) trabalham na elaboração do Sistema Integrado de Gerenciamento de Projetos de Pesquisa e de Extensão (SIGPEX), que substituirá o Notes a partir de março. O novo Formulário de Registro de Projetos de Pesquisa está disponível para testes até o dia 12 de fevereiro.

“O segmento relativo à pesquisa está pronto, e optamos por disponibilizar o sistema para consulta a fim de coletar sugestões e detectar problemas. Esta é a versão 1.0 do SIGPEX, e melhorias serão progressivamente implantadas, de acordo com as necessidades dos usuários. Por isso, a colaboração neste momento é importante”, afirma o pró-reitor de Pesquisa, Jamil Assreuy Filho. Opiniões sobre a facilidade de inserção dos dados, a funcionalidade, e o nível de autoexplicação dos campos, por exemplo, serão analisadas pela equipe. O usuário deve utilizar o idUFSC para acessar o sistema.

Os dados inseridos não terão validade e serão apagados ao final da fase de testes. Após o preenchimento e envio para aprovação, será feita a análise do fluxo interno do projeto. De acordo com Assreuy, a proposta é de que o SIGPEX se torne uma ferramenta de gestão para todas as instâncias da Universidade. A previsão é de que os novos projetos sejam cadastrados pelo SIGPEX a partir do dia 7 de março – o Notes ficará disponível apenas para consulta e alterações dos projetos cadastrados anteriormente. Em 2015, foram cadastrados 1.192 projetos de pesquisa, e, no mesmo ano, a UFSC contabilizou 3.572 projetos vigentes.

A orientação é de que o usuário indique aba e tópico correspondentes ao apresentar uma dúvida ou sugestão, com a possibilidade de fazer captura de tela para ilustrar. As sugestões devem ser encaminhadas ao e-mail . Casos de dificuldade para acesso ao sistema devem ser relatados pelo mesmo endereço eletrônico.

Mais informações aqui.

Bruna Bertoldi Gonçalves / Jornalista / DGC / UFSC

UFSC inaugura Centro de Manejo de Bovinos na Fazenda Experimental da Ressacada

04/12/2015 11:54

Um espaço para manusear ruminantes de grande porte de maneira segura para o animal e o tratador, e que vai possibilitar aulas práticas e demonstrativas a alunos da graduação e da © Pipo Quint / Agecom / UFSCpós-graduação do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Esse é o propósito do Centro de Manejo de Bovinos, localizado na Fazenda Experimental da Ressacada, no bairro Tapera, em Florianópolis, inaugurado na última quarta-feira, 2.

O coordenador do projeto do Centro de Manejo de Bovinos e do Laboratório de Etologia Aplicada (Leta), Luiz Carlos Pinheiro Machado Filho, afirmou que a obra apresenta melhores resultados em comparação a um equipamento improvisado utilizado anteriormente. “Os alunos de graduação dos cursos de Agronomia, Zootecnia e Veterinária terão essa obra à disposição, que também será utilizada para pesquisa na pós-graduação. O espaço possibilita aulas práticas de como fazer a correta contenção, o manejo humanitário, a coleta de sangue e de fezes e a inseminação artificial, e de como os animais poderão receber seus tratamentos sanitários”, exemplificou.

© Pipo Quint / Agecom / UFSCA vice-reitora, Lúcia Helena Martins Pacheco, falou sobre a necessidade atual de trabalhar de maneira ecológica e com uma produção mais sustentável. “Uma obra como essa vai contribuir para muitas gerações de estudantes, não só da graduação, mas também para avanços na pesquisa e na pós-graduação. Esse é o objetivo da Universidade. Agradeço a todos que acreditaram e lutaram pelo projeto desde o início”, disse.

O projeto do Centro de Manejo de Bovinos, que possui 261,33 m2, foi submetido pela Pró-Reitoria de Pesquisa da UFSC à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) para obtenção de recursos do programa CT-Infra, criado para viabilizar a ampliação e a modernização dos serviços e da infraestrutura de apoio à pesquisa. Ao todo, foram investidos na obra R$ 336.831,97. De acordo com o diretor do Departamento de Projetos da Propesq, Elias Machado Gonçalves, no último ano foram investidos cerca de 1 milhão e 300 mil reais na Fazenda da Ressacada em projetos CT-Infra. “O Centro de Manejo de Águas será inaugurado em breve”, anunciou Machado.

O sistema de drenagens, concluído em 2014, mantém um reservatório de água e possibilita o controle da altura da água no solo e a hidratação ideal do solo para plantações e pastagens. No mesmo ano, houve a aquisição de cinco máquinas agrícolas para pesquisas agroambientais na Fazenda Experimental.

O coordenador do Leta agradeceu a todos que participaram do processo de concretização da obra, em especial a seu pai, o professor aposentado do CCA, Luiz Carlos Pinheiro © Pipo Quint / Agecom / UFSCMachado, homenageado pela contribuição ao desenho do curral para bovinos, pensado com o objetivo de conciliar o manuseio seguro dos animais ao menor estresse possível a eles. “Sou da terceira geração de professores de Zootecnia na minha família. A concepção dessa obra veio de um trabalho que ele fez no final da década de 70 e início de 80”, destacou Pinheiro Filho. “Para mim, esse é um momento muito emotivo, porque há uma história, e essa história tem 40 anos. Isso aqui é a materialização de um sonho”, disse o professor aposentado do CCA, Luiz Carlos Pinheiro Machado.

A obra reúne conhecimentos de Engenharia, Zootecnia, Ergonomia e comportamento animal. A concepção do projeto e o desenho básico foram elaborados pelo Leta. “Agradeço também aos alunos do Leta que estão aqui e que são temporais, mas representam todos os que já passaram por aqui desde a fundação do laboratório”, disse Pinheiro Filho. “Estou muito contente. A nossa preocupação maior é que os alunos tenham um ambiente qualificado para aprender as coisas da profissão”, afirmou o diretor do CCA, José Carlos Fiad Padilha.

© Pipo Quint / Agecom / UFSCO pró-reitor de pesquisa, Jamil Assreuy Filho, coordenadores de cursos, professores do Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural da UFSC, docentes aposentados, ex-diretores do CCA, técnicos-administrativos em Educação (TAEs) que atuam na Fazenda da Ressacada e estudantes também participaram do evento. Ao final da cerimônia, o coordenador do Leta apresentou aos presentes o funcionamento da estrutura do Centro de Manejo de Bovinos. O espaço conta com um laboratório para análises.

A Fazenda Experimental da Ressacada recebeu  investimentos em infraestrutura de ensino, pesquisa e extensão que somam R$ 6 milhões. Infraestrutura de Manejo de Água, Centro de Manejo de Ovinos, novo reservatório, construção do galpão de máquinas e de armazenamento de insumos e equipamentos, novo bezerreiro, galpão para os cursos do Departamento de Fitotecnia e obras para expansão elétrica e de dados da Fazenda Experimental são alguns dos projetos.

Confira a matéria produzida pela TV UFSC: https://www.youtube.com/watch?v=4z0DB04hGdM

 Fotos: Pipo Quint / Agecom / DGC / UFSC / agecom@contato.ufsc.br

Bruna Bertoldi Gonçalves / Jornalista / DGC / UFSC / imprensa.gr@contato.ufsc.br

Consulta pública para minutas de Programas de Pesquisa segue até 21 de outubro

25/09/2015 09:45

A Pró-Reitoria de Pesquisa (Propesq) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) iniciou a consulta pública às minutas de Resolução do Programa de Apoio às Atividades de Pesquisa (PAAP) e do Programa Institucional de Desenvolvimento das Atividades de Pesquisa (PRODAP). As contribuições devem ser encaminhadas pelo site http://consultapublica.ufsc.br/propostas-propesq-minutas-de-resolucao-paap-e-prodap/ entre os dias 21 de setembro e 21 de outubro de 2015. As sugestões serão discutidas na Câmara de Pesquisa e, posteriormente, encaminhadas para apreciação pelo Conselho Universitário.

O PAAD e o PRODAP são Programas para aplicação dos recursos provenientes, respectivamente, do recolhimento de taxas e do valor de ressarcimento institucional pelo uso da infraestrutura da Universidade em projetos de pesquisa, previstas pela nova Resolução de Pesquisa nº 047/CUn/2014, aprovada por unanimidade pelo Conselho Universitário em dezembro do ano passado. Desde 1994, a legislação prevê a compensação às universidades em casos de projetos desenvolvidos por fundações pelo uso da estrutura tangível e intangível das instituições.

A Resolução de Pesquisa regulamenta a contratação e execução de projetos de pesquisa na UFSC. A possibilidade de técnicos-administrativos em Educação (TAEs) coordenarem projetos de pesquisa, a criação dos dois Programas e a definição de diferentes tipos de projeto também estão descritos na normativa – discutida na Câmara de Pesquisa da Universidade, pela comunidade de pesquisadores e pelo CUn.

“Embora a Resolução traga diretivas gerais para o uso destes recursos, a minuta do PAAP serve para definir mais claramente onde os recursos serão utilizados. De novidade, também, cria-se um Comitê Gestor deste recurso e a necessidade de análise pela Câmara de Pesquisa do Relatório Anual, com garantia de transparência na aplicação dos recursos”, explica o pró-reitor de Pesquisa, Jamil Assreuy.

Os recursos para criação do PRODAP virão dos valores arrecadados pelo uso das instalações, infraestrutura e pessoal da UFSC pelos projetos de pesquisa. “Eles devem ser mais vultosos do que os do PAAP e, portanto, sua destinação será para obras e aquisições relacionadas à atividade de pesquisa e que tenham maior custo”, conclui Assreuy.

 

Bruna Bertoldi Gonçalves

Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação / UFSC

imprensa.gr@contato.ufsc.br

UFSC e Sapiens Parque assinam acordo para implantação de parque científico-tecnológico

13/08/2015 07:08

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e o Sapiens Parque S/A assinaram, na manhã da quinta-feira, 13 de agosto, termo de cooperação para a implantação do Parque Científico-Tecnológico da UFSC.  O acordo começou a ser discutido no segundo semestre de 2012 e foi elaborado por uma comissão bilateral. A cerimônia foi realizada na sede do Inpetro, no Sapiens Parque, em Canasvieiras.

O acordo mantém uma área de 250 mil metros quadrados de potencial construtivo para a UFSC e inclui um plano de ação que prevê a ocupação de 30% do espaço pela Universidade até 2021. Segundo a reitora Roselane Neckel, a assinatura é um marco da pesquisa e a inovação, inclusive no desenvolvimento das chamadas tecnologias sociais.“Poderemos nos aproximar das demandas e necessidades das empresas, ao mesmo tempo em que teremos a oportunidade de utilizar esse espaço para inovação. Neste momento, a Sapiens entra no planejamento da UFSC como um espaço para investimentos”, afirmou.

Reitora Roselane Neckel assina acordo para implantação de parque científico-tecnológico - Foto Jair Quint/Agecom/DGC/UFSC

Reitora Roselane Neckel assina acordo para implantação de parque científico-tecnológico. Foto Jair Quint/Agecom/DGC/UFSC

O documento formaliza o papel da Universidade como interveniente direta, juntamente com o Sapiens Parque. A gestão científica dos laboratórios será exclusiva da UFSC, e as instalações de novos ambientes de pesquisa serão feitas de forma coordenada. O próximo passo será definir as regras pelas quais os empreendimentos poderão atuar no local, afirma o pró-reitor de Pesquisa, Jamil Assreuy Filho. “O maior ganho desse acordo é que a UFSC vai ter o seu parque. Com isso, estamos prontos para ter a nossa incubadora tecnológica e a Agência de Inovação da UFSC. Abre-se uma oportunidade muito preciosa para os alunos de graduação e pós-graduação.” A vice-reitora Lúcia Helena Martins Pacheco avalia que “a incubação de novas empresas vai contribuir para a economia local e estadual e, em alguns aspectos, garantir soberania tecnológica para o país”.

O Sapiens Parque S/A, maior polo de inovação do estado, localizado em Canasvieiras, Florianópolis, é controlado pelo governo de Santa Catarina. Para seu diretor-executivo, José Eduardo Fiates, trata-se de um momento histórico para o empreendimento. “A tendência, agora, é ampliar o número de projetos de centros de pesquisa e institutos de tecnologia nesse conceito do Parque Científico e Tecnológico da UFSC dentro do Sapiens Parque”, explicou.

“O evento de hoje é o coroamento de dois esforços: do Sapiens e da Universidade. Quem ganha é a cidade de Florianópolis, o estado de Santa Catarina e toda a comunidade acadêmica, porque o acordo materializado é uma janela imensa para a inovação, a tecnologia e o desenvolvimento sustentável”, afirmou o diretor-presidente Saulo Vieira.

O  secretário adjunto de Desenvolvimento Sustentável do Estado de Santa Catarina, Marco Aurélio Andrade Dutra, representou o governador Raimundo Colombo na cerimônia. Em seu discurso, saudou a iniciativa e reafirmou a importância do incentivo à pesquisa científica no estado de Santa Catarina.

Para o prefeito César Souza Junior, “a vinda da UFSC é emblemática, porque é a junção de duas grandes forças da cidade, que é o seu ensino universitário, a maior e mais qualificada universidade do estado, que é a UFSC, vindo e apostando no Sapiens Parque. Essa presença da UFSC  fortalece ainda mais esse processo de termos Florianópolis cada vez mais uma cidade digital e focada na economia criativa”.

Também estiveram presentes o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação do Sapiens Parque e ex-reitor da UFSC, Diomário Queiroz;  o secretário de Ciência e Tecnologia de Florianópolis, José Henrique Domingues; e o  diretor de Projetos da Pró-Reitoria de Pesquisa (Propesq) da UFSC, Elias Machado  O evento contou ainda com a presença de diretores de centros, pró-reitores, secretários, técnicos e docentes da UFSC, e autoridades da Fundação Certi.

Parceria antiga

A UFSC participa do projeto Sapiens desde o seu início, em 2001, pela atuação de pesquisadores e pela participação no Conselho de Administração e nos Conselhos Consultivos do Sapiens Parque S/A. Nos projetos de pesquisa e inovação, a atuação da Universidade no Sapiens começou em junho de 2008, quando se iniciaram as negociações para a implantação do Instituto de Petróleo, Energia e Gás (Inpetro). O prédio, construído com recursos da Petrobrás, está em fase final de construção. Outros dois empreendimentos com a participação da Universidade estão implantados no local: o Laboratório de Energia Fotovoltáica, com recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); e o Centro de Análises de Fármacos, com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), e dos ministérios da Saúde e da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). O acordo assinado nesta quinta-feira foiaprovado pelo Conselho Universitário (CUn) em dezembro de 2014 e pelo Conselho de Curadores da UFSC em fevereiro de 2015.

Bruna Bertoldi Gonçalves/Jornalista/ DGC/UFSC

UFSC investe mais de R$ 6 milhões em infraestrutura na Fazenda Experimental Ressacada

17/07/2015 20:15

Investimentos da ordem de R$ 6 milhões vem sendo aplicados em obras de infraestrutura de ensino, pesquisa e extensão na Fazenda Experimental Ressacada, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Já estão em operação um novo bezerreiro, um centro de manejo de gado de corte e infraestrutura de manejo de água. Além disso foram finalizadas as obras de um novo reservatório e a construção e revitalização do galpão de máquinas e de armazenamento de insumos e equipamentos. Outros projetos estão em desenvolvimento, como a construção de um galpão para os cursos do Departamento de Fitotecnia, um centro de manejo de ovinos e obras da subestação e infraestrutura da rede de energia, de telecomunicações e circuito fechado de TV.

A maioria das obras ficaram prontas em 2014. “A Fazenda recebeu investimentos importantes. Hoje o local conta com uma estrutura mais adequada à diversidade de projetos executados por professores, técnicos e estudantes. Muitas pessoas trabalharam e continuam trabalhando para que estas mudanças se tornassem realidade, atendendo a uma demanda legítima da comunidade do CCA”, salienta a reitora Roselane Neckel.

Crescimento pela qualidade

Estrutura de Manejo de Água, obras financiada pela UFSC e CT-Infra. (Foto: Jair Quint/Fotógrafo da Agecom/DGC/UFSC)

O diretor do Centro de Ciências Agrárias (CCA), José Carlos Fiad Padilha, destaca que, após uma avaliação baixa do curso de Agronomia entre os anos de 2008 e 2012, o Centro priorizou os investimentos na Fazenda, com a implantação de novas unidades e mais recursos humanos. “Abrimos mão de algumas necessidades aqui do centro, para que a Fazenda fosse prioritária. Com isso, na avaliação seguinte, conseguimos o conceito máximo (5) para o curso e desde então estamos sendo muito bem avaliados”, salienta Padilha.

Desde então, foram instaladas unidades de ovinocultura, e recentemente a Fazenda finalizou uma boa estrutura de bovinocultura, com o novo bezerreiro e o projeto de manejo de gado de corte. As necessidades de crescimento da Fazenda demandaram a obra, já em execução, da ampliação da rede de energia e do manejo de água. Além disso, em 2013, em um acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e o Governo do Estado de Santa Catarina para a ampliação do Aeroporto Internacional Hercílio Luz, a UFSC cedeu um espaço de 47,8 hectares por uma área equivalente, pertencente ao Centro de Formação e Aperfeiçoamento da Celesc (CeFA).

Atualmente a Fazenda é utilizada como suporte para várias disciplinas dos cursos de graduação em Agronomia, Engenharia de Aquicultura e Zootecnia, além de programas de pós-graduação em Recursos Genéticos Vegetais, Ciência de Alimentos, Aquicultura e Agroecossistemas, entre outros. “A Fazenda da Ressacada é um apoio muito importante para nós, e para o Brasil. O país precisa de pessoas com treinamento de alto nível, para desenvolver novas tecnologias, e ganhar o mercado. Assim, com ensino e pesquisa de qualidade, poderemos melhorar as produções”, conclui o diretor Padilha.

Investimentos CT-Infra

Dois projetos terminados em 2014, o Centro de Manejo de Gado de Corte e o de Manejo de Água, foram custeados, em parte, com apoio do CT-Infra – programa da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), criado para viabilizar a modernização e ampliação da infraestrutura e dos serviços de apoio à pesquisa. Foram investidos recursos CT-Infra da ordem de R$ 470 mil.

“O funcionamento desta estrutura irá certamente melhorar muito as condições da pesquisa, além de incrementar a estrutura da Fazenda Ressacada como um todo”, ressalta o pró-reitor de Pesquisa, Jamil Assreuy. A Propesq, por meio do Departamento de Projetos e sua Coordenadoria de Projetos Institucionais realizou a gestão dos recursos CT-Infra para as novas construções, e para a aquisição de cinco máquinas agrícolas para pesquisas agroambientais na Fazenda.

Infraestrutura como diferencial

O médico veterinário da Fazenda Ressacada, Thiago Mombach, explica que toda semana a área recebe um número expressivo de estudantes de graduação, além de projetos de pesquisa e extensão. “A Fazenda é extremamente produtiva na área científica. No último semestre, só a área de ovinos recebeu mais de 30 aulas práticas. Com bovinos e equinos temos aulas toda semana. Em pesquisa, são seis experimentos acontecendo simultaneamente. Recentemente recebemos 60 agricultores de um projeto do Ministério do Desenvolvimento Agrário para capacitar produtores de tabaco em ovinocultura e produção de hortaliças”, enumera Mombach. “A fazenda está em plena ebulição, bem conectada com a realidade rural, crescendo de acordo com o mercado e com as necessidades de ensino, e tentando se posicionar sempre à frente em termos de conhecimento e de estrutura”, complementa o médico veterinário.

Os projetos com animais tiveram um importante avanço em 2014 com a finalização das obras de bovinocultura. Outras duas estruturas – um centro de ordenha para bovinos, que aguarda recursos, e um centro de manejo de ovinos, já em construção – estão previstas.

As estruturas finalizadas contam com conceitos modernos de instalações rurais, explica o professor Luiz Carlos Pinheiro Machado Filho, responsável pelos projetos com bovinos. “Hoje estamos muito bem servidos, planejamos instalações abertas com vistas a receber o sol – principal instrumento de sanidade animal. Todas as instalações levam em conta o que a ciência apresenta de mais moderno, tanto em termos de bem-estar animal, orientação solar, comportamento animal, e a ergonomia do ser humano que vai trabalhar aqui”, detalha Pinheiro Machado.

O Centro de Manejo de Gado de Corte, em especial, foi planejado para possibilitar o trabalho com animais de grande porte de forma confortável, interligado via internet com os sistemas de ensino e pesquisa da UFSC. O Centro conta, ainda, com um laboratório básico de reprodução, onde é possível manter amostras para inseminação dos animais, realizar análise de sangue, fezes, urina e fluido ruminal.

Outro investimento também finalizado em 2014 foram as obras de manejo de água. O engenheiro agrônomo Nuno de Campos Filho, coordenador técnico da Fazenda, explica que as novas estruturas são de grande importância para as atividades desenvolvidas tanto com lavouras como no trato com os animais. “Temos aqui um solo muito arenoso, com um lençol freático bastante superficial, além de estarmos com pouca altura em relação ao mar e às áreas de mangue. Sem esse investimento tínhamos problemas sérios de alagamento com a subida das marés e excesso de chuvas, e, nos períodos de seca, também”, ressalta. Com o sistema recém-implantado de drenagens, será possível controlar a altura da água no solo, a hidratação do solo ideal para pastos e lavouras, além de manter um grande reservatório de água para a instalação, em breve, de um sistema de irrigação.

O investimento mais significativo é o de expansão elétrica e de dados da Fazenda. São mais de R$ 3 milhões investidos na construção, em andamento, de uma subestação e de toda a infraestrutura subterrânea de rede de energia elétrica, além de infraestrutura de telecomunicações e circuito fechado de TV. Com a finalização dessas obras será possível levar energia elétrica estável e rede telefônica e de internet para toda a Fazenda, o que reflete nos projetos de irrigação e na utilização de laboratórios como os que estão sendo colocados no Centro de Manejo de Gado de Corte.

 

 

 

Mayra Cajueiro Warren
Jornalista/Diretoria-Geral de Comunicação

Fotos: Jair Quint/Fotógrafo da Agecom/DGC/UFSC

Capes aprova UFSC como polo de mestrado profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia

13/07/2015 20:17

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) será, a partir do segundo semestre de 2015, polo associado do mestrado profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação (Profnit), atualmente sediado na Universidade Federal da Bahia (UFBA) e coordenado pelo Fórum Nacional dos Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Forte). A gestão do polo Florianópolis fica a cargo do Departamento de Inovação Tecnológica (DIT), sob coordenação da professora do Departamento de Ciências Biológicas (CCB), Rozangela Curi Pedrosa.

Atualmente, formam-se  pós-graduandos e pesquisadores graduandos sem terem acessado a rica informação tecnológica que se encontra nos documentos de patentes. A proposta do curso é qualificar, em nível de mestrado, os gestores dos Núcleos de Inovação Tecnológica e de atuação acadêmica, governamental e empresarial em ambientes de inovação. O Profnit – avaliado pela Capes com conceito 4 – abrange as áreas de Administração, Ciências Contábeis e Turismo.

Mais informações pelo e-mail  ou pelo telefone (48) 3721-9628

 

Débora Nazário/Estagiária de Jornalismo Agecom/DGC/UFSC

UFSC e Sebrae promovem educação empreendedora e lançam concurso universitário

13/05/2015 10:28

A Pró-Reitoria de Pesquisa (Propesq) promoveu na última sexta-feira, 8 de maio, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o primeiro “Empreende UFSC”, cujo objetivo é estimular a educação empreendedora, a cultura de proteção à propriedade intelectual  e a transferência de tecnologia e inovação no ambiente acadêmico da Universidade. A ocasião também propiciou o lançamento do 8º Concurso Estadual de Planos de Negócio para Universitários, que premia os melhores planos apresentados por estudantes de Santa Catarina.

Aproximadamente 150 pessoas assistiram a palestra. Foto: Henrique Almeida/Agecom/DGC/UFSC

Aproximadamente 150 pessoas assistiram a palestra. Foto: Henrique Almeida/Agecom/DGC/UFSC

Esta edição do concurso, que faz parte da agenda de atividades do “Empreende UFSC”, premia os melhores planos de negócio em cinco categorias – Indústria, Comércio, Serviços, Agronegócios e Negócios Digitais – com uma viagem ao Vale do Silício, Estados Unidos. Dois dos professores orientadores também são beneficiados com o prêmio.

O “Empreende UFSC” é uma ampliação do programa “Educação Empreendedora na UFSC: implantação de atividades de fomento ao empreendedorismo e propriedade intelectual”, resultado da parceria firmada em 2013 com o Sebrae. A diretora do Departamento de Inovação Tecnológica (DITS) da Propesq, Rozangela Curi Pedrosa, explica que, atualmente, existem outros parceiros como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) e a Secretaria do Estado de Desenvolvimento Sustentável de Santa Catarina (SDS-SC).

O pró-reitor de Pesquisa, Jamil Asseury, destacou a importância da atividade e falou com otimismo da evolução da visão empreendedora no Brasil. A coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Farmácia (PGFar), Tânia Pasa, também participou do evento. No mês passado, foram abertas inscrições a todos os estudantes para uma disciplina sobre empreendedorismo por meio da PGFar. 
(mais…)

Laboratório no CCE cria estrutura para projetos de ponta em produção de imagens

04/02/2015 20:46

As obras de construção do laboratório TecMídia, no Centro de Comunicação e Expressão (CCE) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), foram iniciadas no dia 5 de janeiro e têm previsão de estarem concluídas no início de julho deste ano. A estrutura, financiada por recursos da UFSC e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), faz parte do CT-Infra e terá equipamentos de última geração, similares aos utilizados nas grandes produções de cinema internacional.

O novo laboratório será montado em duas etapas: a primeira, já iniciada, será de construção física do espaço; em seguida, inicia-se a fase de montagem e instalação dos equipamentos. Assim como outros laboratórios do CT-Infra da UFSC, o TecMídia será utilizado para pesquisas de diversos cursos da Universidade, e conta em sua equipe com pesquisadores dos departamentos de Expressão Gráfica, Jornalismo e Letras.

“Os projetos CT-Infra são, por natureza, multiusuários. São laboratórios que possuem normativas elaboradas pela Pró-Reitoria de Pesquisa (Propesq) e por um comitê gestor envolvendo os pesquisadores que efetivamente utilizam o espaço”, explica o professor Elias Machado, diretor do Departamento de Projetos da Propesq.

O TecMídia será um amplo estúdio, com câmeras e computadores de última geração para a produção de material audiovisual de alta complexidade, com múltiplas aplicações.  “É um grande laboratório, em um projeto multidisciplinar. É um espaço para produzir e formar pessoas para trabalhar com hipermídia, o qual pode ser utilizado pela comunidade para produzir conteúdo para a TV UFSC ou para o curso de Cinema”, destaca Machado. “É um dos primeiros grandes laboratórios multiusuários do CT-Infra para as áreas de Ciências Humanas e Ciências Sociais e Aplicadas. Mostra que é viável fazer investimentos de grande porte nessas áreas. Vai ser um espaço de alto nível”, elogia o diretor.

O projeto original do TecMídia, que data de 2008, só foi licitado em 2014, após uma força-tarefa para a elaboração dos projetos de arquitetura e engenharia, e a alocação de recursos adicionais pela UFSC. O laboratório terá área construída de mais de 770 m², e a obra foi contratada pelo Regime Diferenciado de Contratações (RDC), pelo valor de R$ 2.268.189,54 – dos quais R$ 1.361.664,91 foram repassados pela Finep, e R$ 906.524,63 serão recursos próprios da Universidade. Originalmente a Finep aprovou R$ 500 mil para o projeto, insuficiente para a execução do TecMídia.  Como construiu o Centro de Pesquisa em Tecnologias de Cuidado em Enfermagem e Saúde (Cepetec), outra obra CT-Infra com recursos próprios, a UFSC solicitou o remanejamento de R$ 761.664,91 destinados ao Cepetec para complementar o orçamento do TecMídia. Se for somado o aporte de recursos próprios e remanejados, o investimento da UFSC será de R$ 1.668,189,54.

Inspiração na indústria cinematográfica

Com o passar do tempo, já que se tratava de um projeto de 2008, foi necessário atualizar a tecnologia e as aplicações do TecMídia. O Grupo de Pesquisa do coordenador do projeto, professor Milton Luiz Horn Vieira – prioritariamente formado por alunos de pós-graduação –, tem por objetivo avaliar as metodologias de desenvolvimento adotadas com base nas técnicas de criação de conteúdo e usabilidade que descrevem modelos de conteúdo para hipermídia.

O professor Vieira explica que o TecMídia vai ser um grande espaço de “aquisição de movimentos”. “Vamos poder alavancar significativamente os estudos de animação. Para se ter uma ideia, o trabalho que cinco animadores seniores fazem em um mês poderá ser feito em uma tarde no TecMídia. Imagine a celeridade desse tipo de projeto na formação dos nossos estudantes. Não existe nada igual, no Brasil, aos equipamentos que temos e que estamos adquirindo”, ressalta Vieira.

A captura de movimentos, possível com as câmeras de última geração que estarão disponíveis no TecMídia, é apenas uma das atividades a serem desenvolvidas no laboratório. Essa tecnologia em específico já é aplicada a projetos de pesquisa em parceria com o Hospital Universitário (HU) e o Departamento de Morfologia, e a estudos desenvolvidos com atletas de alto desempenho e pessoas que usam próteses, entre outros.

O professor Vieira garante que assim que a etapa de construção estiver finalizada, será possível instalar com rapidez os equipamentos. “Ainda em 2015 poderemos ter alunos estudando ali”, prevê o coordenador. A ideia, segundo Vieira, é preparar os alunos para o mercado, em parceria com a indústria. “Vamos poder dar apoio a empresas de Santa Catarina que hoje não podem competir com empresas de fora do país”, acrescenta.

O diretor adjunto do CCE, Arnoldo Debatin Neto, também elogia o projeto. “Vemos com bons olhos. É um espaço que irá promover interfaces com outros cursos, gerar novos conhecimentos, gerar a inserção dos cursos de graduação e programas de pós-graduação em tecnologias avançadas. Imaginamos inclusive a possibilidade que se desenvolvam coisas novas, com a interface com outros laboratórios. É um campo muito fértil”, complementa Neto.

A obra do TecMídia, que teve o projeto revisado e aprovado pelo Departamento de Projetos de Arquitetura e Engenharia, está sendo fiscalizada pelos engenheiros Marcelo Vardanega, Paulo Roberto Medeiros dos Santos e Ricardo Friedrich de Franceschi, do Departamento de Fiscalização de Obras (DFO). A evolução do projeto pode ser acompanhada pelo site do DFO.

Mayra Cajueiro Warren
Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação

Claudio Borrelli/Revisor de Textos da Agecom/Diretoria-Geral de Comunicação/ UFSC

  • Página 1 de 3
  • 1
  • 2
  • 3