Nota de esclarecimento – Bom Dia Santa Catarina / RBS TV

26/11/2015 13:22

Prezado Renato Igor,

A respeito do comentário veiculado no Bom Dia Santa Catarina, em 25 de novembro de 2015, cumpre-nos informar que:

  1. A consulta pública sobre a adesão ou não do Hospital Universitário à Ebserh foi uma decisão do Conselho Universitário (CUn) da UFSC, aprovada em reunião realizada em 30 de outubro de 2014. Ficou estabelecido que a consulta estratificada serviria como mais uma fonte de informações para subsidiar a decisão final sobre a questão, porque cada conselheiro poderia conhecer como se manifestam seus pares;
  2. Para organizá-la, foi formada uma comissão, integrada por Alacoque Lorenzini Erdmann e George Luiz França (representantes dos professores), Luciano Antonio Agnes e Ricardo José Valdameri (representantes dos técnicos-administrativos) e Marcus Vinícius dos Santos e Paula Vieira Parreiras dos Santos (representantes dos estudantes). A criação do grupo foi determinada pelo Conselho Universitário em março deste ano, e a professora Alacoque Lorenzini Erdmann, recentemente eleita vice-reitora da UFSC, foi quem presidiu a comissão. Toda a documentação, inclusive, encontra-se disponível on-line em site criado especialmente para este fim – http://www.consultapublicahu.ufsc.br. O CUn também instituiu uma comissão para analisar as questões relativas à Ebserh e à realidade do HU, presidida pela Prof. Lúcia Helena Martins Pacheco, vice-reitora da Universidade. Toda a documentação está disponível nos autos do processo ora apreciado pelo Conselho e também está on-line desde outubro de 2014;
  3. Estranhamos que se questione o direito da comunidade universitária posicionar-se sobre a adesão ou não à Ebserh e, mais ainda, que se tenha dito textualmente que alunos de cursos como História ou Filosofia não possam ter direito a manifestar-se sobre tema tão importante, ainda mais quando, antes da consulta, foram realizados sete debates institucionais. O próprio Conselho Universitário é composto por representantes da sociedade civil e por docentes, técnicos e estudantes com as mais diferentes formações, de todos os centros de ensino e campi da Universidade, e são essas pessoas que vão decidir soberanamente sobre a adesão ou não à Empresa;
  4. Em nota, a presidente do Conselho Universitário, além de se manter imparcial em todo o processo de discussão – seguindo o regimento do CUn, repudiou veementemente as manifestações de violência que interromperam a votação dos pareceres relativos ao HU e à Ebserh na reunião do Conselho realizada no dia 24 de novembro. Estamos envidando todos os esforços para que a próxima reunião ocorra com tranquilidade e a votação possa ser realizada com segurança.

Diante do exposto, solicitamos o direito à resposta, de acordo com a legislação vigente, nos mesmos horários da programação e no mesmo tempo disponibilizado para a veiculação da matéria original, colocando-nos à disposição para qualquer esclarecimento adicional.

Carlos Vieira

Chefe de Gabinete da Reitoria

UFSC auxilia Incra na elaboração de projetos de agroindústrias para assentamentos no Brasil

23/11/2015 11:13

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) mantêm um termo de cooperação com o objetivo de estruturar e dar suporte técnico à

Reitoras da UFSC recebem autoridades do Incra e agricultores para balanço das atividades desenvolvidas. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Reitoras da UFSC recebem autoridades do Incra e agricultores para balanço das atividades desenvolvidas. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

elaboração e implantação de projetos de indústrias em assentamentos rurais de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. O Laboratório de Educação do Campo e Estudos da Reforma Agrária (Lecera) do Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural, vinculado ao Centro de Ciências Agrárias (CCA) da UFSC, coordena as atividades com a participação de alunos e professores vinculados ao laboratório.

As reitoras Roselane Neckel e Lúcia Helena Martins Pacheco e o diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamentos do Incra, César Fernando Schiavon Aldrighi, representando a presidência do órgão, se reuniram no dia 13 de novembro, em Florianópolis, para realizar um balanço das atividades desenvolvidas. “Há cerca de três anos, fomos procurados para um termo de cooperação destinado a entender a demanda das compras públicas de alimentos para os equipamentos públicos de combate à fome e desnutrição. Realizamos criterioso estudo, indicando a complexidade da cadeia desses equipamentos e suas demandas por produção de alimentos para escolas, asilos, restaurantes populares, bancos de alimentos”, explica o coordenador do Lecera, Clarilton Edzard Davoine Cardoso Ribas. A equipe é composta por cerca de 30 bolsistas, cinco professores que atuam nos projetos das agroindústrias e técnicos contratados para viabilizar os trabalhos.

De acordo com o diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamentos do Incra, o objetivo é ampliar o programa nacional de agroindústrias nos assentamentos – Terra Forte. “A UFSC tem nos ajudado muito na elaboração dos projetos agroindustriais para as cooperativas dos assentamentos não apenas de Santa Catarina, mas do Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo, e na avaliação da produção, além de assessorar o Incra em eventos nacionais. Essa cooperação, sem dúvida, será muito importante para a próxima etapa”, afirma Aldrighi. “A próxima etapa será a implementação dos projetos – colocar as indústrias em terra e fazê-las entrar em funcionamento”, complementa Ribas.

Aldrighi informa que a reforma agrária no Brasil tem, atualmente, em torno de 9.200 assentamentos, com 970 mil famílias, que ocupam cerca de 88 milhões de hectares no país. “A produção agropecuária nos assentamentos, com vistas à agroindústria, com certeza vai melhorar a renda e a qualidade de vida das famílias”, avalia. Há o envolvimento, nos quatro estados contemplados pelo termo de cooperação, de mais de 22 mil famílias, que são a base das cooperativas apoiadas. “Especificamente em Santa Catarina, temos mais de 2.500 beneficiadas. No estado, há mais de 6 mil famílias assentadas. Oficialmente, deveríamos atuar em 23 cooperativas, porém a demanda a campo foi muito superior e acabamos assumindo mais de 40 propostas de projetos agroindustriais para diversas cooperativas”, informa o articulador do termo de cooperação entre Incra e UFSC, Marcelo João Alves. As cooperativas apoiadas em Santa Catarina têm ação regional – Oeste, Planalto e Norte –, com atuação na cadeia produtiva do leite, das hortaliças, dos grãos e das carnes.

Para o coordenador do Lecera, é preciso conter o êxodo rural. “Os espaços urbanos perderam, há bastante tempo, a capacidade de assimilar gente. Um emprego na cidade pode significar um investimento de 1 milhão de dólares em indústria de alta tecnologia. Além disso, o estado tem que prover a esse retirante casa, equipamentos de saúde, educação, lazer, mobilidade. De outra parte, um posto de trabalho no campo custa entre 6 e 18 mil dólares. Inclusive do ponto de vista da racionalidade econômica, uma reforma agrária se sustenta”, defende Ribas.

O chefe de gabinete, Carlos Antonio Oliveira Vieira, o secretário de Relações Internacionais da UFSC, Luiz Carlos Pinheiro, Machado Filho, o superintendente do Incra em Santa Catarina, Fernando Lúcio Rodrigues de Souza, e agricultures de Santa Catarina e do Paraná beneficiários do Programa Terra Forte também participaram do encontro. Durante a reunião, o grupo organizou um conjunto de agendas para dar apoio e assessoria às agroindústrias.

Lecera

O Lecera foi fundado em 2006 e desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão. A atuação privilegia os camponeses assentados pela reforma agrária com o objetivo de viabilizar economicamente a permanência no campo. O critério sustentabilidade econômica, ambiental e social na produção de alimentos saudáveis e agroecológicos baliza as pesquisas científicas desenvolvidas.

O laboratório conta com quatro linhas de atuação: Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares (PMACs); Agricultura Urbana e Periurbana (AUP) e Segurança Alimentar e Nutricional (SAN); Educação do Campo; Planejamento, Implementação e Avaliação de Projetos de Produção de Alimentos Agroecológicos. Projetos de inclusão digital nos assentamentos, de capacitação para produção de alimentos, de gestão de cooperativas e oficinas de arte e cultura para juventude rural integram as atividades.

Para mais informações sobre o Lecera, acesse http://www.lecera.ufsc.br/.

Bruna Bertoldi Gonçalves / Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação / UFSC /

Em visita a parlamentares e ministérios, Roselane Neckel solicita recursos para projetos da UFSC

09/11/2015 11:44

A reitora Roselane Neckel esteve em Brasília, nos dias 4 e 5 de novembro, para negociar com o Ministério da Educação e o Ministério do Esporte. A reitora visitou, ainda, gabinetes de deputados federais da bancada catarinense para discutir a elaboração de emendas parlamentares à UFSC para o exercício de 2016. Durante as visitas foi confirmado que na Lei Orçamentária Anual de 2016 há a solicitação de uma emenda coletiva de R$ 100 milhões destinada à Universidade.

A visita ao Ministério dos Esportes teve como objetivo garantir os recursos para a continuidade das obras de recuperação dos banheiros e vestiários de apoio à pista sintética de atletismo, além das reformas das quadras e ginásios de esportes e da aquisição de equipamentos para as competições de atletismo. Os projetos e a solicitação foram entregues em mãos ao ministro George Hilton quando da inauguração da pista de atletismo da UFSC, no dia 26 de março de 2015.

Deputado Mauro Mariani, reitora Roselane Neckel e o chefe de gabinete Carlos

No Ministério da Educação, a reitora se reuniu com o secretário de Ensino Superior, Jesualdo Pereira Farias, e com representantes da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) para tratar da redução do orçamento do Hospital Universitário. No mesmo dia foi liberado um total de R$ 1,5 milhão para o pagamento dos empregados terceirizados da Fundação de Amparo à Pesquisa e à Extensão Universitária (FAPEU) que atuam no hospital.

Parlamentares

No Congresso Nacional, a reitora reuniu-se com os deputados Mauro Mariani (PMDB), Décio Lima (PT), Esperidião Amin (PP), Ronaldo Benedet (PMDB), Carmen Zanotto (PPS) e Marco Tebaldi (PSDB). Nos encontros, foram solicitados apoio à UFSC e a elaboração de emendas parlamentares para atender a diversas demandas da Universidade.

“Desde o início do ano estamos conversando com os parlamentares para viabilizar essas emendas. Este é um trabalho contínuo”, explica a reitora. Em 2015, foi liberada uma emenda do deputado Onofre Agostini (PSD), no valor de R$ 3,9 milhões, que garantiu a continuidade das obras do CBS02 – prédio de salas de aula e laboratórios em Curitibanos. Em 2012, uma emenda do deputado Décio Lima, no valor de R$ 4 milhões, garantiu a renovação da frota de veículos da UFSC.

Em 2015, uma emenda coletiva previa o repasse de R$ 9 milhões, que ainda não foram liberados. “Continuamos trabalhando muito para que esses recursos cheguem até a UFSC e garantam a continuidade de projetos importantes, como as obras nos diferentes campi”, afirma Roselane. As visitas foram acompanhadas pelo chefe de gabinete, Carlos Vieira.

Programa de Formação Continuada da UFSC abre inscrições

08/11/2015 15:53

Estão abertas, via Sistema Gestor de Capacitação (SGCA), as inscrições para os cursos “Integração Institucional aos Novos Docentes” e “Legislação da Carreira do Magistério Federal”. As aulas serão realizadas no Campus Trindade, com transmissão por webconferência para Araranguá, Blumenau, Curitibanos e Joinville. Serão ofertadas 84 vagas para Florianópolis e 20 para cada campus do interior. Os cursos são promovidos pelo Programa de Formação Continuada (Profor) da UFSC, cuja finalidade é propiciar aperfeiçoamento pedagógico continuado aos docentes da Universidade – em caráter obrigatório para professores em estágio probatório e facultativo aos demais.

Identificar as necessidades de capacitação dos docentes, possibilitar a ambientação e a integração dos ingressantes, capacitá-los em atividades de gestão universitária são objetivos do Profor, regulamentado pela resolução normativa n° 51/CUn/2015,aprovada pelo Conselho Universitário (CUn) em 2 de junho de 2015. “A resolução diminui para 72 horas a carga horária de cursos a ser cumprida pelo professor em estágio probatório na UFSC, mas prevê que ele deve realizar, exclusivamente pelo Profor, os cursos nas áreas de Formação Pedagógica (16 horas), Integração ao Ambiente Institucional (16 horas) e Legislação da Carreira do Magistério Federal  (8 horas) ”, explica a pedagoga da Coordenadoria de Avaliação e Apoio Pedagógico (CAAP) da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), Barbara Wollinger Niehues. A coordenadoria atua de forma conjunta com as unidades de ensino e as comissões pedagógicas para elaboração e execução das atividades do programa.

Conforme a resolução, os docentes que estão nesse período também devem somar 32 horas de formação por meio de cursos –  relacionados à área de atuação e com carga horária mínima de 4 horas – ofertados pela Universidade ou outras instituições de ensino. Os professores que ingressaram na UFSC antes da aprovação do documento podem optar cumpri-lo ou atender as orientações da portaria n° 155/PREG/2006, que estabelece àqueles em estágio probatório o cumprimento de 120 horas de atividades oferecidas pelo Profor – dois cursos de 54 horas-aula nas áreas de Formação Pedagógica e de Estrutura e Legislação da UFSC, além de 12 horas de atividades em palestras, oficinas e seminários.

Informações sobre os cursos:

“Integração Institucional aos novos docentes”

Inscrições: 29/10 a 10/11

Data e horário: 17/11, 01/12, 08/12 e 15/12, das 8h às 12h

Local: Sala dos Conselhos, piso térreo da Reitoria I

Ementa: Estrutura da UFSC – Pró-Reitorias, Secretarias e Unidades de Ensino; Políticas e normas regulatórias; Políticas de Ensino, Pesquisa e Extensão

“Legislação da Carreira do Magistério Federal”

Inscrições: 06/11 a 16/11

Data e horário: 25/11 e 02/12, das 14h às 18h

Local: Sala dos Conselhos, piso térreo da Reitoria I

Ementa: Breve histórico da carreira docente; Decreto 94664/87; Portaria 475 MEC/87; Lei 12.772/12; Medida Provisória 614/13; Lei 8112/90.As progressões e promoções nas carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico Técnico e Tecnológico na UFSC; a lógica das resoluções: 018/CUn/2006 e 007/CUn/2007; tabelas anexas; a confecção do Relatório Individual de Atividades – RIA: documentação necessária; preenchimento das tabelas de ensino, pesquisa e extensão; portarias administrativas junto ao processo: validade e carga horária; projetos de pesquisa e extensão documentação necessária; aula prática no preenchimento das tabelas

Mais informações pelo telefone (48)3721-8307 ou pelo e-mail .


Bruna Bertoldi Gonçalves / Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação / UFSC

Revisão: Claudio Borrelli/Revisor da Agecom/Diretoria-Geral/UFSC

UFSC apresenta Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos à comunidade

30/10/2015 10:51

A apresentação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) da UFSC à comunidade foi realizada na tarde da última quarta-feira, 28, no Auditório da Engenharia de

A pró-reitora de Administração Adjunta, Lúcia Maria Loch Goes, o pró-reitor de Planejamento e Orçamento, Antonio Cezar Bornia, a coordenadora do PGRS da UFSC, Sara Meireles, o coordenador de Gestão Ambiental da Universidade, Fernando Sant’ Anna, e o prefeito do Campus, Nailor Novaes Boianovsky, participaram do evento. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Produção e Sistemas (EPS), no Centro Tecnológico (CTC), integrando as atividades da Semana Campus Lixo Zero. Cerca de 100 pessoas, entre técnicos-administrativos em Educação (TAEs), docentes, estudantes e membros da comunidade externa, participaram do evento.

O PGRS é um instrumento de gestão previsto na Política Nacional de Resíduos Sólidos que consiste em um diagnóstico detalhado do gerenciamento de resíduos na universidade e propõe programas, metas e ações para a adequação às normativas legais e técnicas vigentes, em especial à Política Nacional de Resíduos Sólidos, ao Plano Nacional de Resíduos e ao Decreto Federal nº 5940/2006, que institui a Coleta Seletiva Solidária.

O documento estará disponível para consulta pública entre os dias 3 e 23 de novembro pelo site gestaoderesiduos.ufsc.br. A minuta foi elaborada com o apoio da equipe técnica da Coordenadoria de Gestão Ambiental (CGA) e de nove estagiários de Engenharia Sanitária e Ambiental. Os trabalhos começaram em setembro de 2014. “Espera-se que o PGRS seja participativo e abrangente, representando a realidade e trazendo os esforços necessários para a gestão integrada de resíduos sólidos, visando uma maior compatibilidade das ações praticadas na instituição a saúde do trabalhador e do meio ambiente”, afirma a engenheira sanitarista e ambiental da Prefeitura Universitária (PU) e coordenadora do PGRS da UFSC, Sara Meireles.

A engenheira sanitarista e ambiental da UFSC, Sara Meireles, apresentou o Plano para cerca de 100 pessoas. Foto: Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Recicláveis, rejeitos, orgânicos, resíduos de construção e demolição, de podas e capina, eletroeletrônicos e de patrimônio, de serviços de saúde e laboratoriais – químicos e infectantes -, e de logística reversa – lâmpadas, pilhas, baterias, agrotóxicos, óleos lubrificantes, pneus, eletroeletrônicos e agrotóxicos – estão entre os principais resíduos gerados pela Universidade. “Para abranger essa complexidade, foi elaborado um minucioso e detalhado plano que permitirá, com sua implantação, a resolução dos problemas atuais e a correta destinação dos resíduos, gerando economia de recursos, diminuição de impactos ambientais e inclusão social”, explica a administradora da Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFSC, Gabriela Mota Zampieri.

A UFSC produz cerca de 140 toneladas de resíduos convencionais por mês. A coleta é feita pela Companhia Melhoramentos da Capital (Comcap), com destinação ao aterro sanitário localizado na cidade de Biguaçu. “São aproximadamente 46 toneladas de resíduos orgânicos. Do restante, estima-se que 38 toneladas sejam rejeitos e 56 toneladas, recicláveis”, informa a engenheira sanitarista e ambiental da Universidade. Por ano, são contabilizados cerca de 500 quilos de pilhas e baterias. A média mensal é de 2,5 toneladas de resíduos químicos, 12 toneladas de resíduos infectantes e 1.500 lâmpadas.

A comunidade é convocada a participar das ações e dos programas que serão implementados por meio do PGRS. “É possível colaborar com a redução do consumo, quando possível; reuso de materiais; redução do desperdício – principalmente no RU -; uso de técnicas laboratoriais que gerem menor quantidade de resíduos, com reuso; diminuição da quantidade de reagentes ou tratamento do efluente final; segregação do material na fonte para encaminhamento à coleta seletiva solidária, quando houver; manutenção da limpeza e saúde ambiental do campus, entre outras iniciativas”, destaca Sara.

Mais informações em gestaoderesiduos.ufsc.br e gestaoambiental.ufsc.br.

Bruna Bertoldi Gonçalves / Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação / UFSC / 

Nota de esclarecimento sobre pagamento de energia elétrica

29/10/2015 17:01

 

A Justiça Federal deferiu a antecipação dos efeitos de tutela para determinar à CELESC Distribuição S.A. que se abstenha de interromper o fornecimento de energia elétrica em todas as unidades da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em virtude do não pagamento das faturas. A decisão de entrar com uma ação judicial ocorreu depois de tentativas de negociação direta com a direção da empresa. O atraso no pagamento deve-se ao contingenciamento orçamentário que atinge a Universidade desde o início deste ano. Destaque-se que, apesar disto, a UFSC conseguiu pagar as faturas de energia elétrica do primeiro semestre, num total de mais de R$ 12 milhões

Em reunião realizada no dia 18 de setembro com a direção da CELESC, a reitora Roselane Neckel e o pró-reitor de planejamento e orçamento, Antônio Cézar Bornia, explicaram que desde janeiro a Universidade não tem recebido a totalidade dos recursos necessários para pagar as despesas empenhadas. A negociação visava evitar o corte no fornecimento de energia, uma vez que as atividades de ensino, pesquisa e extensão não podem parar, inclusive aquelas realizadas no Hospital Universitário, sob risco de prejuízos irreparáveis. Apesar dessas tratativas, a UFSC foi comunicada sobre a interrupção do fornecimento a partir de 22 de outubro de 2015  e não teve alternativa senão ingressar com a ação ordinária – como, aliás, já fizeram outras universidades brasileiras que se encontram em situação semelhante.

Mais uma vez reafirmamos nosso compromisso com a quitação de todas as faturas tão logo os valores nos sejam repassados pelo Ministério da Educação. Entendemos que, enquanto gestores públicos, devemos zelar pelo bem coletivo. Temos responsabilidades perante a sociedade e envidaremos todos os esforços para que a UFSC não seja obrigada a paralisar suas atividades.

 

Florianópolis, 29 de outubro de 2015.

Administração Central da Universidade Federal de Santa Catarina

 

 

UFSC sedia II Seminário de Gestão Pública Sustentável

26/10/2015 12:29

Discutir a sustentabilidade na Gestão Pública das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes), compartilhar experiências e boas práticas. Essa é a proposta do II Seminário de

Gestores das Ifes debatem sustentabilidade na administração pública. Foto: Jair Quint/Agecom/UFSC

Gestores das Ifes debatem sustentabilidade na administração pública. Foto: Jair Quint/Agecom/UFSC

Gestão Pública Sustentável, realizado ao longo desta segunda-feira, 26, no auditório da Reitoria, em Florianópolis. O evento é organizado pelo Fórum de Gestão Integrada das Instituições Federais de Ensino em Santa Catarina (Forgifesc), formado pela UFSC, pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e pelo Instituto Federal Catarinense (IFC).

O Forgifesc foi implementado em março de 2014. “Desde lá, foram mais de oito encontros, compras compartilhadas e o I Seminário de Gestão Pública Sustentável. Buscamos uma maior articulação entre as instituições, que podem alcançar juntas seus objetivos, com o enfoque social. Precisamos agora dar um passo à frente, por isso, buscamos a participação das altas gestões e dos órgãos de controle”, afirmou o coordenador do Forgifesc, Érico Madruga. “É preciso avançar na questão da sustentabilidade social como critério de gestão”, complementou.

Gestores, técnicos, docentes e estudantes participam do seminário. A pró-reitora de Administração do IFSC, Elisa Flemming Luz, o pró-reitor de Administração do IFC, Maurício Lehmann, o analista de finanças da CGU, Rodrigo de Bona, a doutoranda na área de Ética e Sustentabilidade pela UFSC, Vanderleia Martins Lohn, o coordenador do Mestrado Profissional em Administração Universitária da UFSC e diretor do Instituto de Pesquisas e Estudos em Administração Universitária (Inpeau), Pedro Antônio de Melo, contribuem com os debates.

Entre as temáticas abordadas, “A Sustentabilidade das Ifes com enfoque social – Efetividade, Cidadania e Controle social”. A reitora Roselane Neckel destacou a responsabilidade social das instituições de ensino e a importância da mudança de cultura para sustentabilidade. “É uma cultura que não foi construída. Quando nós, gestores de instituições públicas, estamos dando exemplo, isso tem uma capilaridade muito grande e atinge vários setores, e reflete na formação de professores. Um grande desafio é a formação de cidadãos com consciência das questões ambientais”, disse.

Na programação, as palestras “Eficiência pública, cidadania e controle social nas Ifes”, “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): um caminho para a Gestão Pública”, “Projeto de formação socioambiental de servidores técnicos e administrativos da Universidade de São Paulo (USP): educação ambiental em capilaridade”, “Plano de Logísitca Sustentável no Ministério do Meio Ambiente: monitoramento e avaliação” e o painel “Sustentabilidade: uma responsabilidade de todos”. Experiências e desafios das Ifes na elaboração de seus Planos de Logística Sustentável (PLS) também estarão cem pauta. A apresentação de cases de sustentabilidade nas Ifes Catarinenses a assinatura da carta de compromissos sustentáveis estão previstas para o período da tarde.

Bruna Bertoldi Gonçalves / Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação / UFSC / imprensa.gr@contato.ufsc.br

Pró-Reitoria de Pós-Graduação entrega Prêmio UFSC de Tese

23/10/2015 10:55

A Pró-Reitoria de Pós-Graduação da UFSC anunciou na manhã de quinta-feira, 21 de setembro, os vencedores do Prêmio UFSC de Tese. A cerimônia foi realizada no auditório da Reitoria e contou com a presença da comissão avaliadora, coordenadores de programas de pós-graduação, orientadores e de finalistas.

A pró-reitora de Pós-Graduação, Joana Pedro, destacou que a iniciativa serve para “mostrar para a UFSC e outras universidades a qualidade do trabalho de formação de alunos e pesquisadores que se faz aqui”. No total, foram submetidas 26 teses: cinco da área Ciências da Vida, 13 de Humanidades e 8 de Ciências Exatas, Tecnológicas e Multidisciplinar.

Os vencedores de cada área do Prêmio UFSC de Tese receberam um tablet e terão a tese publicada em forma de livro pela Editora da UFSC (EdUFSC); seus orientadores poderão utilizar diárias ou passagens para participação em evento científico nacional ou internacional de sua escolha até o valor de R$ 3 mil. Os agraciados com o Prêmio Menção levaram um tablet e seus orientadores, diárias ou passagens até o valor de R$ 2 mil; os ganhadores do Prêmio Destaque, um telefone celular e seus orientadores, diárias ou passagens até o valor de R$ 1 mil. Os avaliadores das teses foram homenageados durante a cerimônia.

Na área de Ciências Exatas, Tecnológicas e Multidisciplinar, a tese vencedora foi a de Juliana Eccher, orientada por Ivan Helmuth BechtoldCristais Líquidos como Semicondutores Orgânicos para Aplicações Eletrônicas. Ela parabenizou a UFSC pela iniciativa, “só vai gerar mais motivação para trabalhos de mais qualidade”. Ela agradeceu ao seu orientador e ao Programa de Pós-Graduação em Física pelos últimos quatro anos e disse que agora irá se dedicar ao pós-doutorado e seguir a carreira acadêmica.

Vencedor na área de Humanidades, Daniel Galvão Veronez Parizoto, orientado por Edison Ramos Tomazzoli na teseContribuição dos diferentes fatores aos processos de deslizamento e a influência antrópica no nível de danos do desastre de 2008: o caso do complexo do Morro do Baú – Ilhota/SC, também lembrou da equipe com quem trabalhou. “A tese não é solitária, ela se constrói com um grupo, com pessoas que participam”.

Bruno Corrêa da Silva, orientado por Walter Quadros Seifert e coorientado por Felipe do Nascimento Vieira, foi o vencedor na área Ciências da Vida com a tese Sais orgânicos como aditivos alimentares para camarão marinho Litopenaeus vannameie irá seguir trabalhando na área, como pesquisador na Epagri.  Ele também acredita que a iniciativa “valoriza programas os alunos e incentiva os programas de pós-graduação a se inscrever em outros prêmios”.

O Prêmio UFSC de Tese também é um estímulo para os programas enviarem teses para o Prêmio Capes de Tese e outros concursos do gênero. “Notamos que muitos doutorados não mandavam as teses. Participar destes concursos dá muito trabalho, exige uma comissão de avaliação, é um trabalho custoso, mas precisamos mostrar o quanto nossos professores têm se empenhado na boa formação dos egressos, que é a tarefa de um programa de pós-graduação”, diz Joana Pedro.

Os sete doutores pela UFSC e seus orientadores contemplados com a distinção ofertada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior em 2015 (cinco com Prêmios Capes de Tese e dois com menção honrosa) foram citados durante o evento. A pró-reitora de Pós-Graduação atribui o reconhecimento à qualidade crescente dos programas da instituição. “Há uma profissionalização dos programas na UFSC, um compromisso muito forte dos professores e alunos com a excelência de suas pesquisas. Estamos formando doutores capazes de recebero o Prêmio Capes de Tese.”

Teses Vencedoras

Área Ciências da Vida

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA

PRÊMIO UFSC DE TESE

Autor: Bruno Corrêa da Silva

Orientador: Walter Quadros Seiffert

Coorientador: Felipe do Nascimento Vieira

Título: Sais orgânicos como aditivos alimentares para camarão marinho Litopenaeus vannamei

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E DO DESENVOLVIMENTO

MENÇÃO HONROSA

Autor: Carmen Simioni

Orientadora: Zenilda Laurita Bouzon

Coorientador: Éder Carlos Schmidt

Título: Análise dos mecanismos reguladores dos processos de polarização e germinação de esporos e desenvolvimento de gametófitos jovens de Gelidium floridanumsob efeito da radiação ultravioleta e do metal pesado cádmio

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

PRÊMIO DESTAQUE

Autor: Daniele Detanico

Orientadora: Saray Giovana dos Santos

Título: Efeitos agudos das lutas e da sessão de treino de judô em indicadores de fadiga e dano muscular

 

Área Humanidades

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

PRÊMIO UFSC DE TESE

Autor: Daniel Galvão Veronez Parizoto

Orientador: Edison Ramos Tomazzoli

Título: Contribuição dos diferentes fatores aos processos de deslizamento e a influência antrópica no nível de danos do desastre de 2008: o caso do complexo do Morro do Baú – Ilhota/SC

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

MENÇÃO HONROSA

Autora: Vanessa Goulart Dorneles

Orientadora: Vera Helena Moro Bins Ely

Título: Estratégias de ensino de desenho universal para cursos de graduação em Arquitetura e Urbanismo

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS DA TRADUÇÃO

PRÊMIO DESTAQUE

Autor: Théo de Borba Moosburger

Orientador: Walter Carlos Costa

Título: BRENNU-NJÁLS SAGA: Projeto tradutório e tradução para o português

 

Área Ciências Exatas, Tecnológicas e Multidisciplinar

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA

PRÊMIO UFSC DE TESE

Autor: Juliana Eccher

Orientador: Ivan Helmuth Bechtold

Título: Cristais líquidos discóticos como semicondutores orgânicos para aplicações eletrônicas

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

MENÇÃO HONROSA

Autor: Fernando de Jesús López Rodríguez

Orientador: Vicente de Paulo Nicolau

Coorientador: Xavier Maldague

Título: Deteção e Caracterizacão de Defeitos Internos por Termografia Infravermelha Pulsada

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS E ENGENHARIA DE MATERIAIS

PRÊMIO DESTAQUE

Autor: Edroaldo Lummertz da Rocha

Orientador: Carlos Renato Rambo

Coorientador: Luismar Marques Porto

Título: Interações nanopartícula-células e biomaterial-células induzem mudanças globais em programas de expressão de genes

Mais informações no site da PROPG.

Caetano Machado/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

Fotos: Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

UFSC desenvolve manual de orientação para compras públicas sustentáveis

21/10/2015 08:32

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) elaborou um manual para orientar a aplicação de critérios de sustentabilidade em compras públicas. O guia foi desenvolvido em conjunto por estudantes de Engenharia Sanitária e Ambiental, representantes da Pró-Reitoria de Administração (Proad) e da Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento (Proplan). Dos 110 processos licitatórios para aquisição de material de consumo e permanente realizados entre agosto e outubro, 63 contemplaram a inclusão de pelo menos um critério de sustentabilidade.

O projeto visa incentivar e orientar a inclusão de critérios de preservação do meio ambiente nas licitações da UFSC. O arquivo está disponível em PDF e pode ser acessado por meio deste link. O manual é o primeiro documento de um projeto intitulado “Inclusão de Critérios Ambientais nas Compras e Contratações da UFSC”, o qual procura estimular práticas sustentáveis nas instituições fornecedoras que pretendem concorrer às licitações da Universidade. Ao solicitar certificados de segurança, selos de proteção ambiental e economia de energia, as empresas interessadas nas licitações começam a se adequar para atender a essas exigências.

Uma segunda iniciativa, contemplada pelo mesmo projeto, está focada na aplicação dos critérios ambientais nas licitações para contratação de empresas prestadoras de serviços. Além de leis, selos e certificados adquiridos pelas empresas fornecedoras de serviço, este manual específico contará com orientações na seleção de companhias que cumpram com as exigências legais de proteção à natureza, economia de energia e normas de segurança no trabalho.

O professor e coordenador do projeto, Fernando Sant’Anna, conta que o desenvolvimento durou cerca de dois anos, contemplando pesquisas em selos e critérios legais a serem ponderados na seleção de empresas para participarem da licitação. Os pesquisadores tomaram como base os parâmetros utilizados por instituições públicas com amplo reconhecimento no setor de responsabilidade socioambiental, como o Tribunal de Contas da União (TCU).

A diretora do Departamento de Compras (DCOM) da UFSC, Karen Pereira Alvares, explica que os critérios estão sendo aplicados em médio prazo para que as empresas consigam se adequar às exigências sustentáveis: “No geral, as instituições de maior porte atendem a um maior número de requisitos ambientais tanto em termos de qualificação de produto (especificação do material) quanto em qualificação da empresa (licença ambiental, plano de gerenciamento de resíduos sólidos, certificações de processos)”.

Incluir critérios de sustentabilidade nas compras e contratações federais é uma maneira de as instituições mobilizarem os fornecedores a buscarem práticas com maior impacto socioambiental. Dados do International Centre for Sustainable Development apontam que as licitações correspondem a aproximadamente 10% do PIB brasileiro e que a adoção de medidas de preservação do meio ambiente é uma forma de estimular o mercado na movimentação de produtos e de soluções que economizem água e energia.

Gabriel Daros Lourenço / Estagiário de Jornalismo / DGC / UFSC / imprensa.gr@contato.ufsc.br

Comissão planeja ações de atenção psicossocial e pedagógica a estudantes da UFSC

19/10/2015 12:29

A Comissão de Atenção Psicossocial e Pedagógica foi constituída para definir e implementar uma política na área voltada aos estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O grupo desenvolveu um Plano de Atenção Psicossocial e Pedagógica e elaborou a minuta de resolução que deverá ser apreciada pelo Conselho Universitário (CUn) até o final do ano.

De acordo com a psicóloga da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Prae) e coordenadora da comissão, Elisa Eggers Luiz, a proposta é desenvolver projetos e ações específicas para as diferentes dimensões de atenção. “Serão traçadas estratégias para estabelecer, na Universidade, um ambiente promotor de saúde e acolhedor de pessoas em sofrimento motivado por vulnerabilidades psicossociais ou por enfrentar problemas relativos a ações pedagógicas”, explica. A comissão, instituída em 2014, é regulamentada pela Portaria nº 668/2015/GR, de 27 de abril de 2015. Os trabalhos da equipe seguem até abril de 2016. 

Promover a permanência dos estudantes com bem-estar, emancipação e autonomia são objetivos a serem alcançados. “A relevância de implementar uma política como essa se expressa na potência de uma ação que caminhará na direção de práticas de prevenção, acolhimento e tratamento de demandas presentes na comunidade acadêmica, visando a saúde e a qualidade de vida dos seus sujeitos”, afirma a pró-reitora Adjunta de Assuntos Estudantis, Simone Vieira de Souza.

Representantes da Prae, do Centro de Ciências da Saúde (CCS), do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), do Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago (HU), do Departamento de Segurança Física e Patrimonial (Deseg), da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), do Serviço de Atenção Psicológica (Sapsi), do Centro de Desportos (CDS), do Centro de Ciências da Educação (CED), da Associação dos Pós-Graduandos (APG) e discentes da graduação – um deles indicado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) – integram o grupo, que se reúne mensalmente.

“Por meio de uma metodologia que prevê a criação de redes de atenção psicossocial e pedagógica e no diálogo com os espaços e serviços institucionais já existentes, compreendemos que a comissão e, portanto, a Universidade, estará contribuindo com a construção de um cenário mais democrático, priorizando a atenção já no ingresso do estudante através de uma importante rede de apoio”, diz Simone.

Uma pesquisa realizada entre 2010 e 2011 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) sobre o Perfil Socioeconômico e Cultural dos Estudantes de Graduação das Universidades Federais Brasileiras aponta que as dificuldades emocionais estão entre os fatores que afetam o desempenho acadêmico. Segundo trecho do relatório, “dificuldades de adaptação a novas situações envolvendo, por exemplo, adaptação à cidade, à moradia, ou separação da família, entre outras, foram reportadas como significativas por 43% dos estudantes”. Falta de motivação para estudar ou dificuldades de concentração, baixo desempenho acadêmico, reprovações, trancamentos de disciplinas, mudança de curso, risco de ser jubilado e trancamento geral foram identificados como prejuízos causados por problemas emocionais.

Neste ano, foi realizado mapeamento dos serviços de atenção psicossocial nos setores da Universidade e na cidade de Florianópolis para auxiliar aqueles que procuram informações junto à pró-reitoria. Projetos que abordam o uso de álcool e de outras drogas estão sendo desenvolvidos no Colégio de Aplicação da UFSC e na Moradia Estudantil. Um folder direcionado a estudantes ingressantes está em fase de elaboração. Elisa informa que o setor de Psicologia da Prae iniciou, em 2015, o projeto “Longe de casa: e agora?”, cujo público-alvo são alunos oriundos de outras cidades.

Para mais informações, acesse o site http://prae.ufsc.br ou entre em contato com a Coordenadoria de Assistência Estudantil (CoAEs) pelo telefone (48) 3721-2707.

Bruna Bertoldi Gonçalves / Jornalista / Diretoria-Geral de Comunicação / UFSC / imprensa.gr@contato.ufsc.br