UFSC participa de ação de fomento de projetos entre Brasil e Suécia

22/07/2015 20:13

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) participou da “Swedish Open Innovation Learning Week”, ação do Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro (CISB) para fomentar projetos colaborativos de pesquisa, desenvolvimento e inovação em aeronáutica e defesa, entre o Brasil e a Suécia. O evento foi realizado entre 7 e 12 de junho, e teve a participação de doze representantes de empresas, instituições de pesquisa, consultoria e órgãos do governo brasileiro.

Durante a semana, foram realizadas dezenas de visitas e palestras em universidades, parques tecnológicos, empresas e órgãos do governo sueco. Além de ampliar a rede de relacionamentos e as possibilidades de parcerias, a missão forneceu aos participantes uma compreensão ampla do sistema de inovação sueco.

Para Rozangela Curi Pedrosa, diretora do Departamento de Inovação Tecnológica (DIT) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a visita também ajudou muito a compreender o sistema de inovação sueco. Ela destaca que o modelo sueco é uma evolução clara do sistema francês, propondo uma relação entre instituições de pesquisa, empresa governo e sociedade com maior grau de integração entre as partes, em todos os níveis – local, regional, nacional e, principalmente, internacional. “Diferentemente do modelo de tríplice hélice operado por países como EUA, Israel, Alemanha e China, o sistema sueco acrescenta claramente a sociedade como o quarto player da inovação”, diz.

O desenvolvimento tecnológico e de inovação, continuou ela, é orientado por uma demanda da sociedade, e não somente por uma demanda do mercado. Rozangela também notou que o sistema de inovação na Suécia dá ênfase à pequena e média empresa de base tecnológica, mas não exclui as grandes empresas e corporações nos processos. “Outra diferença bastante interessante é a concentração numa única agência, a Vinnova, das políticas de inovação e financiamento de P&D”, finaliza.

Os anfitriões tiveram uma avaliação positiva dos encontros. “Pudemos mostrar as práticas suecas, seus modelos de colaboração, e também trouxemos um pouco dos valores e da cultura da sociedade sueca, especialmente os aspectos que a tornaram líder em inovação”, conta Alessandra Holmo, managing director do CISB. “Para a Suécia, é importante que potenciais parceiros saibam mais sobre o sistema de inovação do país que é focado na inovação aberta e procura envolver sempre a academia, indústria e governo”, acrescenta.

O próximo passo, segundo ela, será apresentar aos participantes desta missão os 26 projetos colaborativos em aeronáutica e defesa que o CISB já alinhou e estão em fase de pré-estudo. “Para que possam verificar se há alguma similaridade com suas linhas de pesquisa ou demandas tecnológicas”, explica. “São projetos que colocam o Brasil em um patamar de P,D&I de classe mundial, a exemplo de um protótipo de um caça do futuro”.

Mais informações: DIT.

Pró-Reitoria de Pós-Graduação encaminha memorando sobre cortes orçamentários

15/07/2015 12:27

A Pró-Reitoria de Pós-Graduação da UFSC encaminhou, na última terça-feira, dia 14 o Memorando Circular nº20/2015/PROPG aos coordenadores de Programas de Pós-Graduação, abordando os recentes cortes orçamentários anunciados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Confira abaixo o texto, na íntegra:

Prezados Senhores,

Recebemos da CAPES, em 9 de julho de 2015, o Ofício Circular nº 13/2015-CDS/CGSI/DPB/CAPES informando sobre a liberação de apenas 25% do valor originalmente previsto para o PROAP/UFSC. Neste mesmo ofício, a CAPES informa que poderá haver repasses adicionais no segundo semestre.

Após o recebimento deste ofício, a PROPG encaminhou à CAPES alguns questionamentos, especialmente para melhor compreender o ajuste solicitado dos valores previamente acordados em março de 2015 e esclarecimentos adicionais sobre os cortes orçamentários.

O FOPROP- Fórum de Pró-Reitores marcou para dia 14/07 uma reunião com a CAPES para gestionar por mais recursos, lembrando que este corte trará prejuízos importantes para o desenvolvimento da pós-graduação.

A PROPG/UFSC agendou uma reunião para o dia 15 de julho de 2015, às 14:30, com todos os Coordenadores de Programas de Pós-Graduação da UFSC. Para subsidiar as discussões, alguns quadros foram elaborados contendo informações sobre os recursos orçamentários disponibilizados pela CAPES e também sobre os recursos financeiros já utilizados pelos Programas de Pós-Graduação. A participação dos Coordenadores de PPGs é muito importante para encontrar meios para fazer frente a esta situação, visando minimizar ao máximo o impacto que possa ter sobre a qualidade da pós-graduação.

Ao prever possíveis cortes orçamentários em 2015, considerando que a CAPES somente liberou o montante de R$ 300.000,00 para as despesas do primeiro semestre deste ano, algumas medidas de economicidade foram propostas. Destaca-se a aprovação recente no Conselho Universitário da modificação na Resolução N. 05/CUN/2010, a qual aumentou a participação por videoconferência dos membros externos nas bancas de dissertação de mestrado e de tese de doutorado.

Ressaltamos que nenhuma bolsa foi cortada e todas estão sendo pagas regularmente. Aqueles estudantes que haviam encaminhado sua inscrição no site da CAPES para realizar estágio de doutorado sanduiche no exterior estão recebendo suas cartas de autorização para obtenção dos respectivos vistos.

Todas estas informações visam deixar claro que o corte orçamentário no PROAP/CAPES é preocupante. Entretanto, a PROPG/UFSC está atuando com intensidade para reverter este quadro, bem como já vem, há mais tempo, tomando medidas para fazer frente às adversidades, buscando minimizar o possível impacto destes cortes orçamentários sobre a qualidade da pós-graduação da UFSC.

 

Cordialmente,

Prof. Juarez Vieira do Nascimento

Pró-Reitor Adjunto de Pós-Graduação

PIICT distribui mais de 800 bolsas de iniciação científica e tecnológica

13/07/2015 20:19

O Programa de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina (PIICT/UFSC) distribuirá 892 bolsas para 2015/2016, incluindo-se as da quota do Fundo Nacional de Telecomunicações (Funttel) e as do Pibic-EM. Foram divulgadas, no dia 6 de julho, 793 bolsas, das quais 742 são de iniciação científica (Pibic) e 51 de iniciação tecnológica (Pibiti). O resultado do Pibic-EM, que oferecerá 87 bolsas, será divulgado nesta sexta-feira, 10 de julho; em outubro, serão implementadas as 12 do Funttel.

A principal novidade é o aumento da contrapartida da UFSC em cerca de 30%, correspondente a 65 novas bolsas, das quais 60 para o Pibic e cinco para o Pibiti, atingindo, este ano, 305 bolsas – em 2012, eram 135.  O PIICT aprovado em maio de 2014 pelo Conselho Universitário (CUn) prevê que a UFSC deva oferecer ao menos uma bolsa para cada bolsa financiada pelo CNPq.

Este ano, houve um total de 1.343 solicitações: 1132, Pibic; 124, Pibiti; e 87, Pibic-EM. O percentual médio de atendimento das propostas submetidas foi de 63,14% no Pibic/Pibiti e de 100% no Pibic-EM. O CNPq orienta que o percentual máximo de atendimento fique abaixo de 80%, para que o sistema seja competitivo e seja possível julgar o mérito dos projetos.

As unidades com percentuais mais altos de atendimento são: CFH, com 84%; CTC, com 78,20%; e CCA, com 68%, enquanto as que apresentaram menores percentuais de atendimento foram Curitibanos, com 26,42%; Blumenau com 37,50%; e CCS, com 45,59%.

Quotas de bolsas recebidas

Das 15 unidades, considerando-se os quatro campi – Araranguá, Blumenau, Curitibanos e Joinville –, apenas o CCA e o CCJ receberão menos bolsas em comparação com o período anterior. Todos as demais receberão uma quota igual ou maior para 2015/2016.

UNIDADE 2015/2016 2014/2015
Araranguá 24 21
Blumenau 21 9
Curitibanos 14 12
Joinville 29 21
CCA 59 63
CCB 80 64
CCE 52 48
CCJ 14 16
CCS 59 55
CDS 9 9
CED 21 19
CFH 84 81
CFM 84 83
CSE 32 19
CTC 208 208

 

Segundo o pró-reitor de pesquisa, Jamil Assreuy, “O número de quotas recebidas depende da quantidade de PQs (bolsistas de produtividade em pesquisa) existentes em cada unidade, do número, nível e dimensão dos programas de pós-graduação e da quantidade de propostas submetidas qualificadas. Para estimular a pesquisa nos campi, a resolução do PIICT prevê que pelo menos 25% das bolsas de contrapartida da UFSC sejam distribuídas para essas unidades”.

O processo de seleção de bolsas de iniciação científica e tecnológica, totalmente descentralizado, conta com avaliação externa de consultores ad hoc, pesquisadores de produtividade do CNPq. As comissões internas, compostas por pesquisadores PQ ou com produção científica equivalente, são indicadas pelos diretores de unidades e nomeadas pelo pró-reitor de Pesquisa para o Pibic. No caso do Pibiti, existe uma única comissão presidida pela diretora do Departamento de Inovação Tecnológica, Rozangela Pedrosa, e os seus integrantes são indicados pelos diretores das unidades, com base nos expertises dos seus docentes em desenvolvimento tecnológico e inovação. Cada proposta é avaliada por dois pesquisadores, e o resultado é homologado pela comissão. Todo o processo é feito pela Plataforma Pibic-Online. Os resultados das avaliações feitas pelas comissões são avaliados pelos consultores ad hoc externos: seis para o Pibic, dois para cada grande área do conhecimento, um para o Pibiti e um para o Pibic-EM. Os pesquisadores têm até 6 de agosto para indicação dos bolsistas; quem descumprir este prazo perde automaticamente o direito à bolsa, conforme consta no edital do PIICT. A responsabilidade pela execução do processo de seleção é da Coordenadoria do PIICT, liderada por Airton Costa. A supervisão é do diretor do Departamento de Projetos, Elias Machado.

 tabela

 

N/D – Dado não disponível
Fonte: http://pibic.ufsc.br/historico-e-numeros-do-pibic/

Fonte: PIICT/ Propesq

Edição: Alita Diana/Jornalista da Agecom/DGC/UFSC

Revisão: Claudio Borrelli/Revisor de Textos da Agecom/DGC/UFSC

Conselho aprova institucionalização dos campi

10/07/2015 20:09

Os campi da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em Araranguá, Blumenau, Curitibanos e Joinville foram oficialmente contemplados no Regimento Geral da instituição. A inserção imediata das novas unidades foi tomada com apenas três votos contrários, na tarde de sexta-feira, 10 de julho, em sessão especial do Conselho Universitário (CUn), com a aprovação do relatório da conselheira e diretora do Centro de Ciências Biológica (CCB), Sônia Gonçalves.

Simultaneamente, foi criado um grupo de trabalho que inclui os diretores gerais dos campi e dois representantes da sede, com objetivo de uniformizar as possíveis alterações e ajustes no Regimento, Estatuto e Resoluções, cujos dispositivos estejam diretamente vinculados à institucionalização das novas unidades. No período de transição, a atual estrutura administrativa dos campi será mantida.

A incorporação dos campi na forma de “unidades universitárias”, conforme o parecer da relatora, passou em 2013 por uma “série de discussões sobre possíveis estratégias para a institucionalização dos campi”. O Grupo de Trabalho para a Institucionalização dos Campi (GTIC) foi criado e elaborou um documento contendo duas propostas. A primeira delas prevê a ocorrência desse processo de institucionalização dos campi da UFSC em duas etapas complementares, iniciando pela criação dos centros e departamentos. A segunda proposta, a pronta institucionalização dos campi fora de sede como campi com centros e departamentos.

De acordo com a conselheira Sônia, “é nosso entendimento, salvo melhor juízo, que há consenso entre as duas propostas no tocante à oficialização quanto à formalização dos centros de ensino e departamentos, uma vez que as duas propostas apresentam no seu desenho estrutural a entidade de Centro(s) e Departamento(s)”.

Assim, o relatório sugeriu a oficialização imediata das unidades universitárias (centros de ensino) e departamentos. “No entanto, é imprescindível que tal decisão venha simultaneamente acompanhada de encaminhamentos subsequentes, que firmemente assegurem a continuidade desse processo de institucionalização dos campi, mediante o estabelecimento e o cumprimento de cronogramas de atividades e prazo para a finalização dos trabalhos, recomendável não ser superior a seis meses.”

A sugestão acatada pelo CUn foi “a formação de um grupo de trabalho que envolva a participação de representantes que atuem como agentes ‘aglutinadores e uniformizadores’ de propostas e/ou ajustes de princípios, que contemplem as especificidades dos campi, pautando-se em uma metodologia de trabalho definida e que possibilite uma uniformização das questões em aberto e relacionadas aos campi”.

Histórico

Os campi da UFSC em Araranguá, Curitibanos e Joinville foram criados em 2008, pelas resoluções 027/CUn/2008, 026/CUn/2008 e 025/Cun/2008, respectivamente; o de Blumenau, em 2013, pela resolução 019/CUn/2013 – entretanto, nunca foram formalmente incluídos na estrutura organizacional da Universidade. De acordo com a exposição de motivos da reitora Roselane Neckel, após várias discussões, “concluiu-se que a UFSC não deveria ter uma estrutura diferenciada em seus campi (sede ou avançada), e que, para tanto, os campi deveriam ser organizados em unidades universitárias – conforme estabelecido no artigo 6º do Estatuto da UFSC”.

Segundo o relatório da professora Sônia, a “solução já fora indicada pelo conselheiro Edison da Rosa, nos pareceres nº 32/CUn/2008, 31/CUn/2008 e 30/CUn/2008, aprovados por este Conselho e referentes à criação dos campi em Araranguá, Curitibanos e Joinville”. Nos relatos, ele ressaltava que, além das atividades administrativas usuais das unidades universitárias, nos campi fora da sede devem ser executadas atividades tipicamente realizadas pela Reitoria no campus sede, propondo a criação de uma secretaria administrativa para cada um deles.

O  CUn irá realizar uma sessão especial, com a finalidade única de revisar a proporcionalidade na representação, em sua composição, de alunos e servidores técnico-administrativos em Educação. A adição das novas unidades irá ampliar o número de docentes no CUn, como foi notado pelo então representante discente, Giovanny Simon, em fevereiro de 2014, gerando uma desproporção na representatividade.

Caetano Machado/Jornalista/Agecom/UFSC

Confira os arquivos apresentados em audiência pública sobre orçamento e permanência

10/07/2015 16:58

Acesse abaixo os arquivos apresentados pela Administração Central da UFSC durante a audiência pública realizada na última quinta-feira, dia 9, no Auditório Guarapuvu.

Regras da Audiência Pública

Apresentação Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento – Orçamento, Capital e Custeio UFSC 2015

Apresentação Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis – Orçamento e Permanência

Apresentação Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis – Benefícios Concedidos de Assistência Estudantil

 

Diretoria-Geral de Comunicação

Confira a íntegra da Nota encaminhada ao colunista Hélio Costa, do Jornal Notícias do Dia

07/07/2015 16:01

Prezado Hélio Costa,

Em relação à nota “Eleição na UFSC”, publicada na edição do jornal Notícias do Dia de 1º de julho, temos a esclarecer que:

  1. Conforme amplamente noticiado, o ocorrido na madrugada de sábado, 27 de junho, foi uma festa ilegal, fruto da ocupação do campus da Trindade por pessoas que não foram identificadas como da comunidade universitária. Ressalte-se que a Polícia Militar (PM) foi acionada pela própria UFSC, por seu Departamento de Segurança Física e Patrimonial (Deseg). Portanto, não houve qualquer conivência da Reitoria para com os atos realizados no campus naquela data.
  2. A UFSC foi vítima nesse episódio e trabalhou conjuntamente com a Polícia Militar. (ver matéria em http://noticias.ufsc.br/2015/06/acao-conjunta-entre-pm-e-departamento-de-seguranca-coibe-festa-ilegal-na-ufsc/)
  3. Na segunda-feira, 29 de junho, a reitora Roselane Neckel e a vice-reitora Lúcia Helena Martins Pacheco reuniram-se com a delegada Michele Alves Correa Rodrigues, Gerente Estadual de Fiscalização de Jogos e Diversões Públicas da Polícia Civil, para tratar assuntos referentes à realização de festas ilegais na UFSC.
  4. A UFSC conta com uma resolução específica para a realização de festas nos espaços do campus, aprovada pelo Conselho Universitário (CUn) em 2009: a Resolução Normativa 002/CUn/2009.
  5. Esta legislação, produzida por uma comissão presidida pela professora Roselane Neckel, à época diretora do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), traz uma série de exigências à realização de festas na UFSC. Um evento só pode ser autorizado quando os requisitos da resolução em vigor são cumpridos, entre eles, os solicitantes devem apresentar os alvarás, atestados ou licenças emitidos pelos órgãos competentes, tais como: a) atestado de funcionamento do local, expedido pelo Corpo de Bombeiros; b) autorização para liberação de fonte sonora pela Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram); c) atestado de “Nada consta”, fornecido pela 5.ª Delegacia de Polícia da Capital – Trindade; d) licença da Gerência de Fiscalização de Jogos e Diversões – Polícia Civil da Capital; além de manter contato prévio com a Polícia Militar, comunicando a realização da festa.
  6. A Administração Central da UFSC tem buscado interceder com antecedência para que eventos não autorizados, divulgados, sobretudo, em redes sociais, não se realizem no campus da Universidade, perturbando os vizinhos e colocando em risco o patrimônio público.
  7. É importante salientar que a Administração Central tem equipado o seu Departamento de Segurança, ampliado o quadro de vigilância e adotado diversas medidas para aprimorar o controle de acesso ao campus, instalando, em todas as entradas, portões, que, em 2015, passaram a ser fechados após as 23h de segunda a sexta, e durante todos os fins de semana. A medida visa, além de ampliar a segurança, conter a entrada de carros de som que usavam o espaço da UFSC de forma indevida e incomodavam a comunidade do entorno. Na madrugada do dia 27 de junho, os veículos entraram após cancelas e cadeados terem sido arrombados. A ação da PM foi fundamental para extinguir a festa e reestabelecer a tranquilidade no local.

 

Florianópolis, 2 de julho de 2016

Nota de esclarecimento da Reitoria sobre pagamento de auxílio emergencial de alimentação

01/07/2015 14:39

A Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) informa que:

1. Todos os encaminhamentos internos para o pagamento dos subsídios de assistência estudantil estão sendo monitorados e acompanhados. No caso específico do auxílio-alimentação, o atraso de um dia no depósito ocorreu em virtude da greve dos técnicos-administrativos em Educação (TAEs). Não procedem, portanto, informações de corte permanente do benefício em função de problemas orçamentários. Os depósitos foram feitos nesta terça-feira, 30 de junho.

2.  Segundo  informações do Banco do Brasil, os estudantes que nele possuem conta devem receber o subsídio de auxílio emergencial de alimentação no dia 1º de julho. Para estudantes que possuem conta em outro banco, os depósitos serão compensados até esta quinta-feira, 2 de julho.

3. Na noite de ontem, 30 de junho, foi oferecido aos estudantes, em caráter emergencial, cesta básica com alimentos não perecíveis; um lanche, à noite; e almoço, nesta quarta-feira, 1º de julho. Os estudantes não aceitaram a proposta.

4. Sobre o pedido para que todos os alunos possam almoçar no Restaurante Universitário do Centro de Ciências Agrárias (CCA), informamos que o local já alcançou o limite de sua capacidade de atendimento, e tem oferecido, desde o início da greve, cerca de mil refeições a mais diariamente. A UFSC não dispõe de recursos para aumentar a estrutura do restaurante, ampliar seu espaço e oferecer transporte até o CCA, como reivindicado pelos manifestantes.

5. Já havíamos solicitado ao Comando Local de Greve a reabertura do RU. Ontem, 30 de junho, solicitamos também o reestabelecimento do funcionamento do Departamento de Contabilidade e Finanças da Pró-Reitoria de Planejamento e Orçamento (DCF/Proplan), considerando que é essencial garantir, em tempo hábil, o pagamento de subsídios aos estudantes com comprovada vulnerabilidade socioeconômica.

6. Acreditamos ser fundamental o retorno do funcionamento do Restaurante Universitário do campus do bairro Trindade, até, pelo menos, o encerramento do primeiro semestre de 2015. Por isso, encaminhamos os documentos acima citados ao Comando Local de Greve dos TAEs. A conclusão deste semestre, já em curso, é de extrema importância, em respeito às pessoas, às famílias e, sobretudo, aos estudantes, que dependem de estruturas básicas, como a Biblioteca (BU) e o RU, para a sua manutenção em Florianópolis.

Florianópolis, 1º de julho de 2015.

Novos membros da CPPD tomam posse nesta quarta-feira

26/05/2015 11:34

A posse dos novos membros da Comissão Permanente de Pessoal Docente (CPPD) será realizada na próxima quarta-feira, 27 de maio, às 16h, no gabinete da Reitoria. Vinculada à Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), a CPPD é responsável pela análise dos processos relativos à abertura de concursos públicos, progressões, estágio probatório, alteração de regime de trabalho, afastamentos e titulações de professores.

A CPPD é composta de dez representantes: seis da carreira do magistério superior, dois da carreira do magistério da educação básica técnica e tecnológica e dois membros do Conselho Universitário (CUn) indicados pelo reitor. A eleição é feita por meio do voto direto e secreto dos docentes de cada carreira, e o mandato dos representantes é de dois anos, permitida a reeleição.
(mais…)

CNPq anuncia UFSC vencedora do Mérito Institucional do Prêmio Jovem Cientista 2015

22/05/2015 10:34

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi anunciada, em cerimônia realizada na manhã desta quinta-feira, 21 de maio, em Brasília, vencedora da categoria “Mérito Institucional” do Prêmio Jovem Cientista 2015, iniciativa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O prêmio será entregue pela presidente da República em junho, com a presença dos ganhadores, seus orientadores, e de autoridades governamentais da área da Ciência, Tecnologia e Inovação e da comunidade científica e tecnológica.

A reitora da UFSC, Roselane Neckel, participou da cerimônia. Na coletiva, ela ressaltou que o prêmio é fruto do trabalho de docentes, estudantes e técnicos; e demonstra a relevância do investimento público em pesquisa para trazer benefícios a toda a sociedade. Além disso, mostra também como uma instituição pública pode contribuir para o desenvolvimento do país.

Na categoria Mérito Institucional, são premiadas uma instituição de ensino superior e outra de ensino médio, às quais estiverem vinculados o maior número de trabalhos qualificados, apresentados respectivamente nas categorias “Mestre e Doutor”, “Estudante do Ensino Superior” e “Estudante do Ensino Médio”.

UFSC vence a categoria "mérito institucional" do Prêmio Jovem Cientista 2015- CPNq

UFSC vence a categoria “mérito institucional” do Prêmio Jovem Cientista 2015- CNPq

Estudantes e instituições de ensino do Ceará, Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo estão entre os vencedores desta edição, cujo tema foi “Segurança Alimentar e Nutricional”. Entre os trabalhos contemplados estão um produto que permite ao consumidor identificar fraudes no leite; um modelo inovador de agricultura urbana, que oferece um sistema sustentável de produção e aproxima os consumidores dos produtores; um estudo sobre a castanha-do-brasil como fonte de suplementação de selênio para idosos, que se revela importante aliado na prevenção do mal de Alzheimer.

 

Pela primeira vez, o prêmio disponibilizou webaulas sobre Segurança Alimentar e Nutricional para ajudar os estudantes do ensino médio a dar os primeiros passos na elaboração de suas pesquisas. O material didático – gratuito e on-line – (www.jovemcientista.cnqp.br) fica disponível até o fim do ano e pode ser utilizado por todos os que queiram trabalhar o assunto na escola, família ou comunidade.

Ao longo dos anos, o CNPq tem acompanhado a trajetória acadêmica e profissional dos premiados. Em 2011, editou a publicação 30 anos revelando talentos e impulsionando a pesquisa. Em 2015, o Prêmio Jovem Cientista completa 34 anos. Nesse período, tornou-se um dos mais importantes reconhecimentos aos cientistas brasileiros.

Confira a lista completa dos vencedores.

jovem cientista 2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais informações no site do prêmio.

Com informações do CNPq.

 

Reitora da UFSC participa de encontro com ministro da Educação

15/05/2015 17:57
Permanência estudantil e políticas para a formação de professores foram temas abordados pela reitora Roselane Neckel na reunião em Brasília. Foto: Reprodução Andifes

Permanência estudantil e políticas para a formação de professores foram temas abordados pela reitora Roselane Neckel na reunião em Brasília. Foto: Reprodução Andifes

A reitora Roselane Neckel pediu ao ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, especial atenção às questões que envolvem a permanência estudantil. “As políticas de permanência são essenciais para o fortalecimento das políticas de inclusão”, alertou. A observação foi feita durante a última reunião do Conselho Pleno da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) na última terça-feira, 12 de maio, com participação do ministro. Ela ressaltou, ainda, que as universidades são parceiras na constituição de políticas institucionais para a formação de professores.

Durante o encontro, Roselane falou, também, sobre a importância da destinação de recursos para a consolidação dos campi. Outro ponto destacado pela reitora foi a necessidade de divulgação do orçamento para 2015. “Isto é fundamental para o planejamento de todas as universidades e, sobretudo, para a estabilidade das instituições”, disse. O ministro garantiu aos reitores que não haverá cortes no custeio das universidades e que o compromisso da expansão será honrado, mas frisou que é preciso conter despesas. “Estamos realmente num momento de dificuldades financeiras. Nós teremos que fazer o melhor uso possível do dinheiro que temos, então tudo o que for economia vai ser feito”, avisou.

No dia 11 de maio, a reitora compareceu à posse do novo titular da Secretaria de Ensino Superior (Sesu) do Ministério da Educação (MEC), Jesualdo Pereira Farias. Em seu discurso, o novo secretário citou a consolidação do Programa de Bolsa Permanência entre os muitos desafios para o ensino superior público federal, ao lado da contratação de professores e técnico-administrativos, expansão do ensino médico, conclusão do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni) e do aperfeiçoamento do Programa Inglês sem Fronteiras, para fortalecimento da internacionalização. Farias é ex-presidente da Andifes e falou da intenção do MEC de contar com a parceria das universidades federais para vários projetos, como a criação de um grupo de trabalho para seleção de boas práticas com o objetivo de minimizar os gastos de recursos públicos.

Diretoria-Geral de Comunicação, com informações da Andifes e do MEC